Tecidos moles: o core da Quiromassagem

"Tecidos moles o core da quiromassagemNenhuma máquina ou aparelho supera a mão. Só a mão humana é capaz de perceber exatamente a pressão que exerce, adaptá-la à superfície que está a tratar, e modificá-la em função da percepção obtida". (David Vilches)

Os tecidos moles são todos aqueles tecidos que interligam, apoiam ou protegem outras estruturas e órgãos do corpo humano, como músculos, tendões, gordura, vasos sanguíneos e nervos.

A Quiromassagem visa tratar os problemas que envolvem este tipo de tecidos, que muitas vezes são os mais difíceis de tratar, já que não se consegue ver o que se passa dentro da pele, em volta dos músculos, ou nas junções. O terapeuta consegue avaliar e diagnosticar o tratamento das diversas condições incapacitantes e dolorosas dos pacientes com as suas mãos.

A Quiromassagem baseia-se numa aplicação da manipulação sistemática aos tecidos moles do corpo com propósitos terapêuticos. Estas manipulações são efectuadas com maior eficiência com as mãos e são administradas com a finalidade de produzir efeitos sobre o sistema nervoso, muscular e respiratório e ainda sobre a circulação sanguínea e linfática, local e geral. As mãos são utilizadas como instrumentos capazes de captar e transmitir energia, sendo usadas para reestabelecer o equilíbrio físico e emocional.

Técnicas como a massagem do tecido conjuntivo (profundo) são opções que exigem pouco economicamente e não proporcionam efeitos colaterais sobre o paciente em tratamento. Há casos até de doenças degenerativas que ficam com os seus sintomas minimizados graças à massagem.

A massagem do tecido mole está relacionada com a fáscia, material de grande importância para as ações humanas e que sabendo como estimulá-la, as dores mais voltadas para a parte externa do corpo podem ser bem tratadas.

Na Quiromassagem, a massagem do tecido conjuntivo é indicada em diversas situações. Pessoas que tenham sofrido alterações funcionais nos órgãos internos, que tenham sofrido algum problema no sistema locomotor, que sofram de obstrução arterial ou que tenham doenças venosas, são alguns dos quadros clínicos que podem ser tratados através da técnica. Além disso, há outras patologias que podem ser tratadas, tais como: Osteoartrite, Dermatomiosite, Angina, Enxaqueca e Lesão musculoesquelética.

Diante destes quadros clínicos, com a Quiromassagem, é possível que os sintomas, se não forem totalmente aliviados, diminuam, surtindo maior conforto, pois muitas dessas situações originam dores severas, sendo esta a principal queixa da maioria dos pacientes. A explicação para os fenómenos benéficos está na manipulação da Quiromassagem da pele e do tecido que fica abaixo da pele, ou seja, o tecido subcutâneo, em determinadas áreas corporais. Tal técnica possibilita analgesia local.

A alteração no tecido conjuntivo é promovida pela disfunção de um órgão. Quando a região é tratada pela massagem do tecido conjuntivo, os reflexos sintomáticos passam a ser inversos aos efeitos desconfortantes mais comuns, levando alívio ao paciente onde havia dor e desconforto. A Quiromassagem difere das tradicionais massagens voltadas para a área fisiológica, justamente porque as manobras não são para levar conforto, mas sim para diminuir a dor através de estímulos adequados e específicos.

O que possibilita um bom trabalho de Quiromassagem durante a massagem do tecido mole é o cuidado com a fáscia. Caso a preocupação maior esteja no músculo e não na fáscia, os efeitos benéficos restringem-se, fazendo com que o paciente volte a sentir os desconfortos. Por outro lado, se a fáscia for devidamente estimulada, a analgesia irá prolongar.

Igualmente, a técnica de massagem do tecido mole promove a melhoria dos fluídos do corpo. Quando bem realizada, os pacientes ficam com uma sensação de bem-estar maior do que o normal. Com a Quiromassagem, os pontos de tensão são liberados, fazendo com que haja maior amplitude de movimentos, e que o dano seja amenizado, dando estabilidade física à região lesionada.

A intensidade é que determina o tipo de massagem, ou seja, para manobras mais leves, onde se trabalha o tecido muscular próximo da fáscia que recobre o músculo, são realizadas técnicas mais leves, que mesmo sem dor proporcionam sensações relaxantes.

No caso do trabalho envolvendo o tecido profundo, exige manobras de massagens de maior impacto físico. Caso a região onde há dor estivesse normal, o indivíduo sentiria desconforto. Assim, o alívio só é possível porque há dor.

Assim, a Quiromassagem consegue abranger vários tratamentos, uma vez que a massagem do tecido conjuntivo possibilita intervenções em muitos quadros clínicos, e a massagem do tecido mole trabalha com questões mais restritas e menos complexas.

Voltar a Notícias

Scroll to Top